Eu Simplesmente Não Tenho Tempo

Acreditar que uma Mentira é a Verdade: Sabe velinhos e velinhas as pessoas não tem palavra no nosso dia a dia e não se parecem cada vez mais com Jesus

por Ralph Neighbour

Eu quero salientar, amigos, que o tempo é da essência. Não há tempo a perder, por isso não compliquem suas vidas desnecessariamente. Mantenham simples—no casamento, no sofrimento, na alegria, em qualquer coisa. Mesmo nas coisas comuns—suas rotinas diárias de compras, e assim por diante. Repartam o mínimo possível com as coisas que o mundo empurra para vocês. Este mundo como vocês veem está para passar (I Cor. 7: 29-31 A Mensagem).

Universalmente os cristãos concordam que Deus tem o direito de um dízimo dos nossos recursos. Todos leram Malaquias 3:8 : “Pode um homem roubar de Deus? Contudo vocês estão me roubando. E ainda perguntam: ‘Como é que te roubamos?’ Nos dízimos e nas ofertas”

Nós estupidamente aplicamos esse princípio do Reino de dizimar apenas para as finanças. Satanás ama isso! Ele formou os reinos deste mundo motivando as pessoas a acumularem esplendor. Esta poderosa motivação prioriza valores fundamentais de toda a humanidade. Gastar noite e dia amontoando tempo para ganhar prosperidade e prazer destrói a consciência da ordem mundial sobrenatural. A maioria nunca entendeu que todas as atividades começam no sobrenatural antes de aparecerem no natural. Se nós não vemos a forma satânica como nosso tempo é controlado, nossos ministérios nunca acontecem. Uma mentira sutil de Satanás vista como verdade é: “eu simplesmente não tenho tempo!”

Mesmo crentes que dizimam (uma quantia mínima de 7-9% de membros da igreja!) vão rapidamente se desculpar por não terem tempo para fazer “atividades cristãs”. O comentário universal é: “Você não sabe como é equilibrar o tempo entre o trabalho e minha família, e não sobra muito para o trabalho da igreja”. Eu ouvi isso nos EUA, Singapura, África do Sul, Brasil, etc.

Eu encontrei uma maneira de trazer os trabalhadores das células para encararem a verdade sobre o dízimo de TEMPO – o bem mais precioso da vida. Podemos ganhar e perder fortunas, mas nunca podemos recuperar o tempo. Uma vez gasto, ele está eternamente perdido.

Então, se nós dízimamos uma semana de tempo, quantas de nossas horas pertencem a Deus? 24 x 7 = 168 horas. Divida isso por 10%: 16,8 horas semanais é um dízimo de nosso tempo, que pertence a Deus! Eu pedi nas minhas Conferências para Líderes de Célula para o grupo ver quantas horas são dedicadas a todas as atividades do Reino incluindo oração, estudo bíblico, ministério, adoração, aconselhar a outros, etc. Poucos, talvez 2% das pessoas, chegaram perto de 16,8 horas. Torna-se óbvio que nós somos escravos de “horários fugitivos” que estão roubando Deus de Seu tempo.

A solução exige um reajuste total de prioridades! A verdade nua e crua é que o Reino de Deus não está na lista de prioridades de qualquer e todos os cristãos que “Não Têm Tempo Para Isso”. Sentar e rever as preciosas horas da nossa semana para priorizar o trabalho de Deus é uma necessidade absoluta. “O tempo é da essência. . .”

Selah.

O cristão é um cidadão do Reino de Deus em primeiro lugar e acima de tudo

O cristão é um cidadão do Reino de Deus em primeiro lugar e acima de tudo. Nós não somos cidadãos dos reinos deste mundo. Se isso for verdade, nosso tempo e agenda devem ser determinados pelos princípios do Reino de Deus, o que por sua vez determinam nossas práticas, ou o que nós fazemos em nossa vida cotidiana. Eu acho que o nosso maior problema é que nós perdemos a consciência de nossa verdadeira cidadania. Nós esquecemos o comando explícito de Jesus em Mateus 6, que nos fala sobre buscar primeiro o Reino de Deus e depois todas as outras coisas… (necessárias para viver nesse mundo) serão acrescentadas em nossas vidas. Por causa da incapacidade de viver um estilo de vida de reino, o cristianismo muitas vezes se torna uma religião que tem alguns rituais a serem observados e consumidos. Nós precisamos retornar para a realidade de que nossa cidadania está no céu e que nossa primeira prioridade é amar Deus com todo o nosso coração. A prioridade dos compromissos do nosso tempo seguirá naturalmente.

Os pastores devem resgatar essa verdade perdida de nossa verdadeira cidadania. Eles devem ensinar, pregar e viver os valores do Reino, para que assim as pessoas possam ver e experimentar essa nova forma de vida.agua

Definindo uma Célula, parte 1

casinha

por Freddy Noble

Quando eu iniciei o ministério celular em nossa igreja, eu devorei toda a literatura disponível. Eu li vários livros sobre ministério celular que me ajudaram a fazer a transição. Contudo, nenhum desses grupos me deu um entendimento claro sobre o que uma célula realmente é. Foi somente após eu ler alguns livros do Joel Comiskey e convidá-lo para dar um seminário em nossa igreja em 2005 que eu entendi a definição de um grupo celular.

Agora eu tenho a profunda convicção de que a definição de uma célula é muito importante. Muitos hoje em dia falam sobre “pequenos grupos”, mas falham em definir o que eles estão falando. Agora, eu não vejo problema em usar o termo “pequeno grupo”, contanto que ele esteja claramente definido. Lembre-se que uma célula é um pequeno grupo, mas nem todo pequeno grupo é uma célula. Ao definir claramente o que é uma célula, uma igreja pode estabelecer parâmetros para seu trabalho e avaliar o progresso. Uma definição clara ajuda uma igreja a manter um propósito claro, que pode ser buscado diligentemente. Uma definição que tem sido útil para nós é a que o Dr. Comiskey nos deu em suas primeiras palestras. Em poucas palavras, Comiskey disse que a célula é “um grupo de três a quinze pessoas que se encontram semanalmente fora do prédio da igreja com o propósito de evangelismo, comunidade, e crescimento espiritual, com o objetivo de multiplicação”.

Em outros livros, o Dr. Comiskey deu uma definição semelhante com variações leves (agora ele foca mais no objetivo de fazer discípulos que fazem discípulos, o que resulta em multiplicação). A questão de fundo é que a definição clara de uma célula tem sido muito importante para nós, a fim de medir o nosso progresso e desenvolver as pessoas que estão dentro do grupo.

Na definição acima existem vários elementos que eu gostaria de ressaltar. O primeiro está relacionado ao tamanho do grupo. Uma célula pode começar com três pessoas e crescer em torno de quinze. O princípio-chave aqui é manter o grupo pequeno!! A razão para essa limitação está no fato de que um dos propósitos-chave da célula é a comunidade (companheirismo). A comunidade verdadeira não acontece quando os grupos ficam muito grandes. Eles devem permanecer pequenos a fim de desenvolver laços estreitos entre os membros. A atmosfera de um pequeno grupo também vai ajudar os membros a cumprir os comandos de “uns aos outros” da Bíblia (que são mais de 50 comandos).

O outro aspecto importante da definição é que as células devem se reunir semanalmente. Encontros semanais ajudam a manter a qualidade dos relacionamentos entre os membros do grupo e ajuda no processo de discipulado. Quando as células se reúnem a cada duas semanas ou uma vez por mês, a continuidade e qualidade são diminuídas. Assim como o culto de celebração acontece semanalmente, as células também devem se reunir semanalmente. Afinal, a igreja em células é uma igreja com duas asas.

Tirar a vida de Cristo de dentro

Pensamentos

por Jeff Tunnell

Sentado no lugar onde eu tenho meus pensamentos mais profundos, talvez para você esse lugar seja seu escritório, a mesa da cozinha, uma cadeira no canto do seu quarto, um cenário de jardim na solidão, eu consulto profundamente a mim mesmo: “O que posso fazer para ser sinceramente o melhor líder do ministério para o meu povo?” “Eles precisam ser desafiados a viver uma vida digna de seus chamados, vidas que derivam e demonstrem seu Salvador interior; vidas que se opõem à esquemática do mundo, mas que o salgam efetivamente e regularmente”. “Para onde eu vou levá-los e como vou levá-los para que eles não murchem e se cansem na viagem?”

Eu devo chamá-los para um profundo compromisso com Cristo, sem equiparar esse apelo às atividades em programas da igreja.

Em obediência ao chamado do Salvador, mas não aos meus próprios preceitos que podem comprometer seu tempo em servir o Rei. Por exemplo: Irmão Lawrence, o monge carmelita do  século 17 escreveu que, enquanto vivia no mosteiro ele praticava a presença de Deus continuamente, todos os dias, conversando com Deus durante todas as suas atividades. A cada dia, eles eram obrigados a parar o que estavam fazendo e voltar para seus quartos para passar uma hora com Deus na oração e solidão. Para o irmão Lawrence esta era a maior interrupção em suas conversas regulares com Deus; a oração tinha que se tornar “oficial”, em vez de comum; programática ao invés de prática e produtiva.

Meus pensamentos mais profundos retornam respostas que me desafiam a inspirar os crentes a viver em comunidade (células), reunir as comunidades para a adoração corporativa (celebração), receber o aperfeiçoamento dos santos, crescer até a maturidade na presença de companheiros de fé e penetrar o mundo ao seu redor com a Luz de Jesus como um fluxo natural.

Ser santo quando se é salvo é fato.Tudo isso substitui facilmente e belamente a obediência a requisitos prepotentes para executar programas sem fim que desperdiçam o tempo das vidas daqueles que os servem.

Deixando o lugar do pensamento mais profundo, eu resolvo liderar outros em direção a atividades de produção de vida. Eu não vou sacrificar suas vidas no altar da produção de programas. Meu tempo será gasto inspirando as pessoas a tirar a vida de Cristo de dentro e viver essa vida exteriormente por causa do Seu reino.

Jeff

Não Tente Economizar Tempo Chamando Tudo de “Célula”

medo

por Joel Comiskey

A fim de economizar tempo em nossa sociedade ocupada, muitas igrejas decidem ampliar sua definição de uma célula. Algumas igrejas falam sobre ter um grande número de pequenos grupos, mas na realidade eles estão se referindo a pequenos grupos de arrumadores, diáconos, equipes de louvor, ministérios de prisão, e também seus pequenos grupos normais ou grupos de células. Elas basicamente rotulam seu ministério e programas como “pequenos grupos”. Muitas vezes a razão para esta grande variedade é ajudar as pessoas ocupadas a se envolverem em um “pequeno grupo”. Assim, enquanto a motivação pode ser boa, o resultado é um sistema celular enfraquecido que resulta na falta de discipulado verdadeiro.

Lembre-se que nós nunca conseguimos mais qualidade pedindo por menos qualidade. Diminuir a qualidade da célula vai fazer com que eventualmente a estratégia de igreja em células desmorone e se desintegre. Meu conselho é nunca baratear a definição de uma célula. É a base da igreja e o local onde o discipulado ocorre. Cada parte de uma definição saudável deve contribuir para a verdade de que a célula é a igreja. Eu defino uma célula como um grupo de três a quinze pessoas que se reúnem semanalmente fora do prédio da igreja com o propósito de evangelismo, comunidade e crescimento espiritual, com o objetivo de fazer discípulos que fazem discípulos, o que resulta em multiplicação…

Você pode ajustar a minha definição, mas eu acho que é importante manter os componentes básicos fundamentais, dando liberdade em relação ao local em que as células vão se reunir, a lição que elas vão seguir, sua homogeneidade, nível de participação, e como elas se chamam. No entanto, uma vez que a célula é a igreja, é essencial que as células mantenham um elevado nível de qualidade. Definir uma célula com uma definição de qualidade vai ajudar a assegurar (não garantir) que os membros se tornem discípulos que fazem discípulos.

Joel

O foco principal da igreja de Deus

O Ministério Celular como o Foco Principal

por Mario Vega, www.elim.org.sv

O modelo celular é a forma pela qual a igreja do Novo Testamento era organizada para alcançar os principais objetivos da fé: evangelismo, discipulado e companheirismo. Já que esses são os maiores componentes do Cristianismo, nós também deveríamos manter o foco neles.

O modelo celular proporciona uma forma natural e integral de praticar esses valores-chave cristãos. Você seria duramente pressionado para encontrar outra metodologia que consegue integrar essas atividades de modo tão balanceado.

Assim, um ministro do Evangelho vai cumprir seu papel ao focar na implementação bem-sucedida desses objetivos através do ministério celular. Os outros programas e atividades tradicionais que existem hoje não refletem completamente o plano e o propósito de Deus para sua igreja. Quando um pastor compreende como Deus cumpre Seus próprios propósitos e planos através do ministério celular, ele vai ficar cada vez mais convencido do ministério celular.

Se o pastor só vê as células como uma atividade para a qual ele deve adicionar programas de discipulado, companheirismo e evangelismo, ele ainda não entendeu o poder profundo que o ministério celular tem para desenvolver esses aspectos em si mesmo.

O ministério celular não é simplesmente outro programa ou atividade da igreja; ele deveria ser o foco principal da igreja de Deus, tanto dentro da liderança como da congregação.

Mario